Diversos Notícias

Crivella diz que espera reabrir Túnel Acústico até a noite de sábado

Segundo prefeito, 30 toneladas de terra caíram sobre a cobertura do túnel, que não foi projetada para suportar peso.

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, disse, por volta das 19h desta sexta-feira (17), que pretende liberar o Túnel Acústico em até 24 horas. No início da tarde, uma parte da cobertura desabou sobre um ônibus, e a via foi interditada. Ninguém se feriu no acidente.

“Esperamos que amanhã já tenha recolhido todo o entulho. Não foi por falha na estrutura, foi um deslizamento de terra de mais ou menos 30 toneladas caídas sobre a viga”, disse o prefeito Marcelo Crivella.

Segundo Crivella, a estrutura principal do túnel não foi abalada. “A estrutura está perfeita, está sã. Essa ‘telha’ só tem a responsabilidade de segurar o peso próprio e impedir que o som dos carros passe. Ela não foi calculada para receber 30 toneladas de terra (…) Vamos consertar, hoje [sexta] à noite vamos tirar aquela peça toda (…) Talvez a gente substitua por uma peça metálica, com sanduíche acústico, uma coisa mais leve. Vai ser melhor do que estava lá agora”, acrescentou.

Agentes da prefeitura vão passar a madrugada trabalhando para tentar desobstruir a via, um dos principais acessos entre as zonas Sul e Oeste do Rio. Um guindaste é utilizado na operação.

A Polícia Civil fez uma perícia no local do desabamento. Técnicos da prefeitura informaram ao RJ2 que cinco vigas que sustentam as lajes do teto entraram em colapso porque não teriam suportado o peso da terra que desceu da encosta.

A prefeitura divulgou uma nota onde diz que a cobertura do túnel não foi projetada para receber sobrecarga de peso, e que o solo da encosta ao lado do desabamento estava encharcado por causa do volume de chuva e deslizou, atingindo a cobertura.

Analista de risco vê falta de manutenção
O especialista em análise de risco Gustavo Cunha Melo diz que não foi só o deslizamento da encosta que provocou a queda de parte da cobertura de concreto, que também houve falta de manutenção.

“O deslizamento de terra não foi fundamental, foi importante. É um fator contribuinte, mas não é o único. Acho que há falta de manutenção Também. A gente vê vegetação na cobertura de todo o telhado do túnel, você também vê vegetação nas laterais, no muros de arrimo, tudo indica ali uma falta de manutenção, de ter uma limpeza disso”, diz Melo.

Crivella afirmou que não houve falha: “Não foi por falha na estrutura. Para o que foi dimensionada, [a cobertura] está perfeita”.

Motorista de ônibus protegeu carros atrás
Thiago dos Santos Viana era o motorista do ônibus, que ficou preso debaixo de uma estrutura de concreto. Sua reação foi se proteger e tentar evitar que outros carros fossem atingidos.

“Na hora que eu vi aquela pilastra, aquele bloco de concreto caindo ali em cima do ônibus eu pensei que ia morrer. Eu me joguei ali pra baixo, entre o volante e o banco (…) Só ficou muita poeira, muita poeira mesmo. Eu abri a porta de trás, pulei a roleta (…) Tinham dois passageiros. Aí saímos correndo, o pessoal largou o carro ligado, moto no chão e todo mundo correu.”

Thiago que conta ter feito uma manobra com o ônibus para impedir que mais veículos fosse atingidos.

“Quando eu vi que estava descendo muito terra mesmo, muita terra, eu fechei praticamente o trânsito (…) Sorte não, é livramento de Deus, porque, assim, estava aquele engarrafamento, então eu tava ali parado ali, andando de vagarzinho, anda e para, aí o trânsito começou a fluir, começou a andar, aí teve aquele desmoronamento de terra ali, já tava caindo muita terra ali, muito barro, e eu fui jogando já o ônibus pro lado esquerdo e fui metendo o braço pro lado de fora pro pessoal parar, pro pessoal parar”, contou Thiago. “Nasci de novo, nasci de novo.”

Estágio de crise
O Centro de Operações determinou estágio de crise na cidade, o mais alto grau na escala de monitoramento de risco. Os congestionamentos na cidade passaram de 200 quilômetros.

Além do fechamento do túnel, por onde passam 80 mil veículos diariamente, já havia uma interdição, desde quinta-feira, na Avenida Niemeyer, onde houve outro deslizamento de terra. A liberação da via ocorreu por volta das 19h.

Pela manhã, no Túnel Rebouças, que liga as zonas Norte e Sul, um acidente que provocou a morte de uma pessoa já tinha deixado o trânsito do Rio intenso, e o Centro de Operações há havia determinado o estágio de atenção – o segundo na escala de três níveis.

Para aliviar o trânsito, a Prefeitura liberou seus funcionários mais cedo e orientou moradores da Barra e da Zona Sul a não sairem de casa.

Interdições (às 21h de sexta-feira)

Túnel Acústico (dois sentidos)

Túnel Zuzu Angel sentido Barra (no sentido Zona Sul, a pista é desviada na saída do túnel na Gávea, com a abertura de um viaduto que estava desativado)

Alternativas

Linha Amarela

Alto da Boa Vista

Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá

A Avenida Niemeyer, que estava fechada desde quinta-feira devido a um deslizamento de terra, foi reaberta nos dois sentidos pouco antes das 19h. A prefeitura, no entanto, pede que a via só seja usada em caso de extrema necessidade.

Túnel Acústico
O Túnel Acústico foi inaugurado oficialmente há 37 anos, junto com a Autoestrada Lagoa-Barra. Ele é diferente dos outros túneis do rio porque não foi escavado. É uma cobertura apoiada sobre paredes de concreto para evitar o vazamento de barulho, principalmente no Conjunto Marquês de São Vicente, chamado de Minhocão, que fica em cima do túnel, e a Pontifícia Universidade Católica (PUC).

Em 2013, foi batizado de Rafael Mascarenhas, em homenagem ao filho da atriz Cissa Guimarães que morreu atropelado dentro do túnel quando andava de skate.

Fonte:G1